Empate na recepção ao Benfica

O jogo grande da jornada 12 foi disputado na Beira Baixa e acabou empatado a 5. Fundão e Benfica proporcionaram um bom espetáculo, com muitos golos, num jogo de boa propaganda à modalidade e à Liga Placard. Com este resultado, ainda que surpreendente, o Fundão praticamente hipotecou a hipótese de estar presente na Taça da Liga. Já o Benfica mantém-se líder isolado, mas poderá ver a aproximação do Sporting, quando a jornada ficar completa.

O jogo começou dividido, sem oportunidades de real perigo junto das balizas, apesar de algumas tentativas de parte a parte. A primeira equipa a marcar foi o Benfica, aos 6’: Fernando Drasler abriu o marcador. O jogador encarnado combinou com André Coelho depois de uma saída rápida e, com classe, bateu Costinha. O golo inaugural teve o condão de espevitar os visitantes, que tomaram o domínio momentâneo do jogo e, por duas vezes, atiraram aos postes da baliza do Fundão. Não marcou o Benfica, aproveitou o Fundão aos 11’. Edgar Varela repõe a bola pela lateral e faz com que esta embata em Chaguinha, e se encaminhe para o fundo das redes. Azar do camisola 2, que traiu André Sousa. Este lance mudou o desenrolar da primeira metade, com a equipa da Beira Baixa a tomar a iniciativa da partida e a conseguir criar mais lances de perigo. Foi já no último minuto da primeira metade que o marcador voltou a mexer. Mário Freitas mostrou toda a sua classe e a bateu André Sousa, com uma grande finalização. O capitão do Fundão deixou Fits para trás e ‘picou’ sobre o guardião, para a primeira cambalhota no marcador, fixando o 2-1 ao intervalo.

O Fundão entrou muito forte na segunda parte e, com o capitão a comandar as tropas, chegou aos três golos de vantagem. Aos 21’, novo autogolo do Benfica, com Mário Freitas a bater um livre que Miguel Ângelo cortou para a própria baliza. Três minutos depois, aos 24’, Juninho assiste Hirata, que atira por entre as pernas de André Sousa para o 4-1. Quem não se deixou ir abaixo foi o Benfica, que começou por fazer subir André Sousa para causar desequilíbrios na estrutura do adversário. Destaque também para o festival de bolas ao ferro dos encarnados, que continuou até final do jogo, conseguindo mais remates aos postes que golos marcados. À passagem da meia hora de jogo, apareceu Robinho para colocar novamente o Benfica no jogo. O camisola 10 marcou por duas vezes seguidas e colocou a desvantagem na margem mínima, não sendo necessário esperar muito para Fits fazer o empate, aos 32’. Nestes dois últimos golos, fica a ideia que Costinha poderia ter feito um pouco melhor, algo que não belisca o grande jogo realizado pelo camisola 98 da equipa da casa. Praticamente meia hora depois do golo inaugural, o Benfica passou novamente para a frente do marcador, novamente por Fits. O pivô fez o 4-5 através da marcação de uma grande penalidade, a castigar um corte com a mão de Varela, que recebeu o segundo cartão amarelo e respetivo vermelho. O cronómetro não parava mas a equipa da casa não se dava por vencida e, apoiada pelo avanço do guarda-redes – Mário Freitas assumiu esse papel – conseguiu um novo empate, desta feita por David Gomes, depois de um bom trabalho de Bocum. Até final, destaque para uma grande oportunidade para Chaguinha, que acabou novamente no poste – com Mário Freitas na baliza – mas o marcador não mais se alterou.

Texto retirado do zerozero.pt: https://www.zerozero.pt/news.php?id=269875