Fundão soma primeira vitória em casa

Longe da vista do público, devido a uma sanção imposta pela Federação Portuguesa de Futebol, que ditou o encerramento do Municipal do Fundão, à quinta tentativa, a Desportiva do Fundão celebrou o primeiro triunfo (7-3) caseiro na atual edição da principal divisão do futsal nacional. O Belenenses averbou mais uma derrota, e as contas continuam a complicar-se para o emblema da Cruz de Cristo.

Sem apoio na bancada e com todos os intervenientes estranhamente audíveis, foi a comitiva do Belenenses quem celebrou primeiro no Municipal do Fundão. Costinha e Paulinho, guardiões de serviço, foram respondendo da melhor forma às primeiras investidas, até que João Marques, com um pontapé forte e colocado, deu vantagem ao conjunto visitante, contrariando o maior ascendente dos donos da casa. A resposta local não demorou: bola a meio e, volvidos poucos segundos, Edgar Varela igualou a contenda a uma bola.

O empate galvanizou a equipa fundanense, que continuou a fazer com que o perigo rondasse a baliza à guarda de Paulinho. O Fundão ia dispondo de boas ocasiões para chegar ao golo e, ciente do melhor momento do adversário, José Feijão optou por parar o desafio. Não obstante, a investida do técnico o Belenenses de pouco valeu. No mesmo minuto, Juninho, atleta que se reencontrou com a equipa na qual iniciou a época, assistiu Wesley de forma primorosa, e o brasileiro fez o 2×1, apontando o seu primeiro golo na Liga Placard 2019/20.

A toada manteve-se e, uma vez assumida a dianteira do marcador, a Desportiva dispôs de nova ocasião flagrante para marcar. Em mais um bom lance individual, Juninho colocou a bola na trave da baliza defendida por Paulinho, guardião que com o avançar do relógio se assumia cada vez mais como principal protagonista do jogo.

O Belenenses, apostado em criar perigo sobretudo em transição, viria a igualar o jogo ao minuto 12. Ao segundo poste, Fábio Semedo bateu Costinha de cabeça para o 2×2, estabelecendo o resultado que se registaria ao intervalo, corolário de uma etapa marcada pelo maior ascendente do conjunto da casa e pela letalidade dos azuis do Restelo em transição.

A etapa complementar começou sem que se verificasse uma tendência clara, mas foi a Desportiva quem se chegou à frente. À passagem do minuto 24, Bocum apontou o 3-2. No entanto, o ex-Eléctrico não se ficaria por aí. Ao minuto 30 fez o 4×2 e estabeleceu uma vantagem de dois golos pela primeira vez. Numa altura em que o conjunto visitante ainda se reorganizava, Mário Freitas aumentou para 5×2, momento que definiu o desafio: em dois minutos, o Belenenses ficou numa posição muito delicada, e José Feijão viu-se obrigado a solicitar tempo técnico para lançar o 5×4+GR com Nuças, em dia de aniversário, a assumir o papel de guarda-redes avançado. A estratégia, no entanto, não correu da melhor forma, tanto que Mário Freitas precisou de apenas um minuto para aumentar a contagem para 6-2.

O Belenenses optou por abdicar da estratégia e, a partir daí, com a equipa lisboeta visivelmente desgastada, o ritmo do encontro caiu. As melhores ocasiões continuaram a pertencer ao Fundão, mas, de forma inusitada, a formação da casa assistiu à expulsão de Costinha, jovem guarda-redes que tocou a bola fora da área e foi admoestado com cartão vermelho direto. Em inferioridade numérica, e com Júlio César entre os postes, o Belenenses reduziu para 6-3, por intermédio de Samuka.

Antes do apito final, já com a vitória do Fundão confirmada, Mário Freitas assinou o hattrick com golos apontados só na segunda parte. O internacional português, que é um dos melhores marcadores do campeonato, fechou as contas em 7-3. Este resultado acalenta as esperanças do conjunto da Beira Baixa no que à luta pelos lugares que dão acesso à Taça da Liga diz respeito. Já o Belenenses permanece em zona de descida.

Texto retirado do zerozero.pt: https://www.zerozero.pt/news.php?id=268470

#SerFundão