Desportiva soma e segue em Sandim

Modicus e Fundão fecharam as contas da 3ª jornada, com a Desportiva a vencer por 2-5. Em Sandim, a equipa da casa até esteve por cima do jogo mais minutos, mas Júlio César e Mário Freitas voltaram a destacar-se, e conduziram a sua equipa a mais um triunfo.

O Modicus foi a primeira equipa a chegar com perigo à baliza adversária, mas o poste, primeiro, e Júlio César a seguir, evitaram males maiores. Jogava-se com intensidade, e as faltas iam acumulando dos dois lados, com o Fundão a atingir as 4 ainda só tinham decorrido 8 minutos. Nuno Couto mandou baixar as linhas, o que demonstrou ser a melhor abordagem ao jogo, visto que, no minuto seguinte, Péleh inaugurou o marcador, numa jogada de insistência em cima da linha de golo.

Seguiu-se um período de maior ofensiva do Modicus, com Júlio César a negar todas as investidas do conjunto de Sandim, com a Desportiva a responder com perigo através de contra-ataque. Mas, ‘tantas vezes o cântaro vai à fonte’, que o Modicus acabou mesmo por empatar a partida. Boa combinação de Óscar com Willian Carioca, e o capitão do Modicus a concluir da melhor forma, repondo o empate no marcador. Em cima do intervalo o conjunto de Gaia ainda obrigaria Júlio César a nova defesa, de forma a manter o resultado no 1-1 com que as equipas recolheram aos balneários.

A segunda parte começou, praticamente, com um golo do Fundão. Mário Freitas trabalhou bem na ala sobre Tiaguinho, e deu para Hirata, que estava sozinho ao segundo poste, encostar e recolocar a Desportiva no comando do marcador. Perante novo golo sofrido, o Modicus partiu para cima do Fundão, e Júlio César deu mais uma vez provas do porquê ser um dos destaques deste arranque de campeonato. Nesta altura, aplicou-se a velha máxima de ‘quem não marca sofre’, e Mário Freitas desfilou classe na quadra de Sandim, ultrapassando três adversários e picando a bola para o 1-3. O Modicus, no entanto, não desistia, e procurava o golo, pese embora nem sempre com o melhor discernimento. O tempo ia passando e o Modicus não conseguia marcar, começando a acusar o nervosismo. O Fundão, percebendo isso mesmo, pressionava o adversário, e, ao minuto 31, desmontou por completo a organização sandinense, e Hirata assistiu Bocum para mais um golo na conta da Desportiva.

Nos últimos 7 minutos, Ricardo Ferreira apostou em Uesler como guarda-redes avançado, e a estratégia até começou por correr bem, dando frutos logo na primeira oportunidade, com Óscar a aproveitar uma defesa incompleta de Júlio César para reduzir. Só que o Fundão reagiu bem, e a partir daí soube fechar muito bem os espaços, e pressionar algo os homens do Modicus, forçando os erros. Ainda assim o Modicus não abria mão do 5×4+GR, mas não só não conseguiu voltar a marcar, como ainda sofreu mais um golo, a pouco mais de um minuto do fim, com Mário Freitas a fechar as contas do encontro em 2-5.

Acaba, assim, a senda vitoriosa do Modicus, que sofre a primeira derrota da época, perante uma Desportiva que entrou com o pé esquerdo na Liga, mas parece ter encontrado o caminho das vitórias.  

Texto retirado do zerozero.pt: https://www.zerozero.pt/news.php?id=263510

#ONossoGritoContinua