Viseu 2001 bate Desportiva na estreia

A jornada inaugural da Liga Placard terminou com o embate entre os dois representantes das “Beiras” (Alta e Baixa), ambos com muitas novidades nos respetivos plantéis. À semelhança do que tinha acontecido na abertura da ronda, também no encerramento houve surpresa: na visita ao Fundão, “capital da cereja”, foi o Viseu 2001 quem a colocou no topo do bolo ao golear a Desportiva local por sete bolas a duas.

Pavilhão bem composto, várias caras novas na quadra e muita expectativa nas bancadas para o primeiro teste oficial da época de ambos os conjuntos.

A noite até começou de feição para o Fundão que, logo nos primeiros 20 segundos, inaugurou o placard. Peléh apareceu na cara de Bruno Felipe e, depois de uma boa receção, atirou a contar quando o encontro ainda não revelava tendência alguma.

Em desvantagem, o Viseu 20001 prontamente se dispôs a correr atrás do prejuízo, criou uma “mão cheia” de boas oportunidades e obrigou mesmo a equipa técnica local a parar o encontro quando estavam decorridos seis minutos. Apesar dos reajustes orquestrados pelos homens da casa, o Viseu empataria mesmo a partida. Pedro Peixoto, um dos melhores em campo, serviu Simas para a igualdade, resultado que já se justificava atendendo à tendência do encontro.

O golo despertou a equipa da casa que voltou a criar perigo junto da baliza de Bruno Felipe por duas vezes, ambas por intermédio de reforços – primeiro Bocum atirou e a bola bateu no interior do poste, ao passo que pouco tempo depois, Wesley atirou à trave.

Apostado em tirar partido dos erros da Desportiva, o Viseu 2001, com Peixoto em destaque, ia aproveitando para criar perigo na sequência de várias bolas perdidas pelos donos da casa em zona proibida. Ao minuto 12, foi precisamente isso que aconteceu antes de Russo a fazer um chapéu a Júlio César para o 1-2, colocando a sua equipa pela primeira vez em vantagem no marcador.

O jogo não corria de feição ao Fundão, excessivamente permissivo em termos defensivos e pouco criativo no ataque, órfão de um esquerdino e muito dependente das investidas de Mário Freitas. A dois minutos do intervalo, a qualidade técnica do jovem Peléh voltou a fazer a diferença, ao tirar Russo do caminho para estabelecer a igualdade no final de um primeiro tempo cheio de boas oportunidades de parte a parte.

No início da segunda, o encontro ganhou uma dimensão mais física, com o Viseu 2001 a chegar rapidamente às quatro faltas e as ocasiões a escassearem nos primeiros minutos. Aos 25, os viseenses colocaram-se em vantagem no marcador pela segunda vez, num contra-ataque em que Júnior e Russo a tabelar entre si na perfeição, com o primeiro a fazer o 2-3.

O Fundão tardava em encontrar soluções para dar a volta à situação e acabaria por sofrer mesmo o 2-4 a sensivelmente oito minutos do fim, com Daniel Ramos, à segunda, a atirar para mais um golo dos homens de Viseu. Em desvantagem por uma margem de dois golos pela primeira vez na partida, a equipa técnica da casa apostou de imediato no 5×4, com Mário Freitas a assumir o papel de guarda-redes avançado. Não obstante, só por iniciativa do internacional português é que a equipa local conseguia alvejar a baliza contrária, e sem sucesso. Não marcava o Fundão, aproveitava o Viseu, que dilatou a vantagem para 2-5 por Bruno Rodrigues, aos 33 minutos. A ansiedade da Desportiva do Fundão aumentou, e, nos três minutos seguintes, Tiago Soares marcou no regresso a uma casa que já foi sua, e Simas estabeleceu o 2-7 final aos 36. Nos minutos finais o Fundão regressou a modelo de jogo inicial, mas o marcador não voltaria a mexer. Na próxima jornada, o Fundão viaja até Oeiras para medir forças com o Leões de Porto Salvo, ao passo que o Viseu 2001 recebe a Burinhosa.

Texto retirado do zerozero.pt: https://www.zerozero.pt/news.php?id=262356

#ONossoGritoContinua