Desportiva eficaz vence em Porto Salvo

Venceu a organização e a eficácia em Porto Salvo, com o Fundão a aproveitar as transições rápidas para selar o jogo. A turma de Nuno Couto parte em vantagem depois da vitória por 0-3 no primeiro jogo do play-off, com o Leões de Porto Salvo a lamentar os lances falhados diante da baliza adversária e a bela exibição de Costinha – que na segunda parte contribui, e muito, para a “folha limpa” dos beirões. A intensidade do segundo tempo, imprimida pela busca do Leões pelo empate, constrastou com os primeiros 20 minutos pobres e muito focados em não sofrer o primeiro golo. Mário Freitas desfez o nulo perto do intervalo e virou as contas do jogo, aproveitando o Fundão para manter a sua organização e sentenciar na transição rápida – claramente a aposta estratégica de Nuno Couto para este jogo.

O jogo colocava em campo as equipas mais próximas na classificação da fase regular, com Leões de Porto Salvo e Fundão a prometerem um duelo interessante, depois dos dois jogos para o campeonato (com uma vitória para cada lado). Mas o play-off é outra história e a cautela sobrepôs-se à criatividade, impondo um jogo tacticamente muito exigente e menos empolgante do que se poderia esperar. O início era morno e procuravam-se erros para fazer mexer o marcador.

O primeiro lance de perigo na partida surgiu já depois dos primeiros dez minutos, com Costinha a tentar cortar o ataque dos Leões quase no meio-campo e a bola a sobrar para os homens da casa, que vacilaram na definição do lance e não conseguiram visar a baliza deserta dos beirões.

A partida era caracterizada por uma maior iniciativa da turma de Rodrigo Pais de Almeida, com mais posse de bola apesar de pouco consequente na fase ofensiva do seu jogo. O Fundão, apesar de também ser pouco eficaz nas acções atacantes, apostou mais nas transições rápidas e na perícia de Márcio a queimar linhas, mas sem grandes efeitos práticos.

Gui tentou para o Fundão, Ruben Santos e Papa Unjanque perderam oportunidades do lado do Leões, e o nó teimava em não desatar na primeira mão do play-off. No melhor período da equipa da casa – e depois de um lance em que o Leões podia ter aberto o marcador -, Márcio recuperou, pegou na bola e conduziu o contra-ataque que inaugurou o marcador, deixando a bola em Pauleta que assistiu Mário Freitas para o 0-1, a um minuto e meio do intervalo.

Rodrigo Pais de Almeida era obrigado a assumir de forma mais veemente as despesas do jogo, com uma entrada forte da equipa da casa, a elevar a intensidade e a pressão alta em relação ao primeiro tempo. Era sem dúvida a melhor fase da equipa no jogo, com várias oportunidades para criar perigo. Ruben Santos teve, num lance fantástico em que flete da esquerda para o meio, o golo nos pés, mas Costinha mostrou os argumentos para Nuno Couto manter a aposta no jovem guardião. Papa Unjanque, no canto que se seguiu à defesa, teve hipóteses para empatar, mas voltou a falhar.

Falhava o Leões e a receita para o primeiro golo ainda se mantinha bem atual. À passagem da meia hora de jogo, e encostados às cordas, a turma visitante recuperou a bola e seguiu em transição rápida – numa má pressão de bola dos homens de Rodrigo Pais de Almeida – descobrindo Pauleta sozinho, que encostou para o segundo golo da partida.

Contas mais difíceis para a turma que equipa de verde, que mantinha a pressão alta e continuava a testar Costinha – sempre atento e bastante concentrado na reacção aos remates e às iniciativas adversárias. Uma das melhores oportunidades da segunda metade surgiu a seis minutos do fim, com uma bela jogada de envolvimento atacante do Leões, culminada com um desvio de Dura, a menos de meio metro da linha de golo, que viu Costinha a esticar o pé esquerdo e manter o 0-2.

Sem conseguir marcar, o técnico do Leões apostou em Ruben Santos como guarda-redes avançado, com dois minutos para jogar, mas a bola teimava em não entrar segundos após esta aposta, com Fábio Aguiar a atirar forte e a esbarrar no homem do costume: Costinha. Os 20 anos do jovem guarda-redes não o intimidaram e as defesas continuaram até ao final do jogo – com Gui a fazer o 0-3 final nos últimos segundos.

O Fundão parte em vantagem na eliminatória, num jogo que prima a eficácia e a capacidade de conter os ataques da equipa da casa, mas que também dá destaque a mais uma bela exibição de Costinha, fundamental para impedir o assalto final do Leões nos últimos minutos. A equipa da casa só se fica a queixar de algum desacerto na finalização e da incapacidade de materializar a superioridade – principalmente no segundo tempo.

In Futsal Global